BRASIL OBTÉM AUTORIZAÇÃO INTERNACIONAL PARA EXTRAIR AS RIQUEZAS DO LEITO DO ATLÂNTICO SUL

14 Nov 2015

 

 País poderá estudar e explorar economicamente, durante 15 anos, os recursos minerais existentes em uma área de 3 mil km² numa região conhecida como Alto do Rio Grande.

 

A partir deste mês de novembro, o Serviço Geológico do Brasil, em parceria com várias instituições civis e militares do país, pode realizar a exploração mineral de uma área do leito submarino do Atlântico Sul – 1.500 km a sudeste do Rio de Janeiro e a 1.300 km, em linha reta, da cidade de Porto Alegre. A permissão da Autoridade Internacional dos Fundos Marinhos (ISBA), órgão vinculado à Organização das Nações Unidas, através da assinatura do contrato de compromisso entre a ISBA e o governo brasileiro, foi dada em cerimônia realizada no dia 9 deste mês, no Ministério de Minas e Energia, em Brasília.

 

Este é o primeiro contrato firmado pela ISBA com um Estado do Hemisfério Sul. Seu termo de compromisso coloca o Brasil no seleto grupo de nações que estão na vanguarda das pesquisas minerais nos oceanos, como a Rússia, Noruega, França, China, Alemanha, Japão e Coreia.

 

A aprovação da proposta brasileira de exploração mineral do Atlântico Sul aconteceu durante a 20ª Sessão Anual do Conselho da Autoridade Internacional dos Fundos Marinhos (ISBA), realizada em agosto de 2014, em Kingston, na Jamaica – evento que reuniu representantes de mais de 160 países. A proposta brasileira se destacou pela forte integração entre meio ambiente e geologia.

 

Por meio desse contrato, o Brasil poderá estudar e explorar economicamente, durante 15 anos, os recursos minerais existentes em uma área de 3 mil km² – repartida por 150 blocos de 20 km² cada – numa região conhecida como Alto do Rio Grande, que é uma elevação submarina, localizada em águas internacionais. Seu topo se encontra a 800 m de profundidade.

 

A Elevação do Alto Rio Grande é considerada parte do patrimônio comum da Humanidade, e os brasileiros esperam encontrar nessa região veios de cobalto, níquel, platina, manganês, tálio e telúrio. As atividades de prospecção usarão intensamente os serviços do navio oceanográfico Vital de Oliveira, da Marinha do Brasil.

 

Nos últimos cinco anos, foram investidos cerca de R$ 60 milhões em pesquisas no Atlântico Sul. Esses recursos vieram do PAC – Programa de Aceleração do Crescimento. Para desenvolver o plano de trabalho previsto no contrato, serão necessários mais de US$ 11 milhões.

 

Leia mais sobre essa importante notícia AQUI.

Please reload

Posts Em Destaque

UMA ANÁLISE SOBRE AS MANCHAS DE ÓLEO NAS PRAIAS DO BRASIL, POR RONALD BUSS DE SOUZA, OCEANÓGRAFO, PESQUISADOR TITULAR DO INSTITUTO NACIONAL DE PESQUIS...

November 28, 2019

1/10
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Siga
  • Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon

HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO

Segunda a Sexta  8h - 12h

                              14h - 18h

ENDEREÇO

Avenida Rui Barbosa, nº 372, Sala 04

Bairro Praia dos Amores

Balneário Camboriú, SC

CEP: 88331-510

aoceano@aoceano.org.br

Tel. fixo: (47) 3367-2202 Cel: (47) 9 9686-9867

Associação Brasileira de Oceanografia

CNPJ 90.221.151/0001-62

 

  • Black Instagram Icon
  • Facebook Basic Black