LAMA AVANÇA PELO LITORAL DO ESPÍRITO SANTO: “É UMA CALAMIDADE”, DIZ COORDENADOR DO TAMAR

27 Nov 2015

 

A onda de lama da mineradora Samarco chegou com tudo ao oceano no dia 22 de novembro, formando uma enorme mancha marrom que, na quinta-feira, 26/11, já avançava além de 30 quilômetros sobre o mar desde a foz do rio Doce, em Linhares, no norte do Espírito Santo. Uma pluma inicial de água barrenta já havia atingido a costa no fim da tarde de sábado, mas o que se formou no domingo foi uma mancha muito mais escura e densa, com aparência de leite achocolatado.

 

A área afetada faz parte da Reserva Biológica de Comboios, uma unidade de conservação costeira que protege um dos únicos dois pontos regulares de desova de tartaruga-de-couro na costa brasileira — uma espécie criticamente ameaçada de extinção —, além de muitos ninhos de tartaruga-cabeçuda, também ameaçada de extinção. O coordenador nacional do Centro Tamar-ICMBio, o oceanógrafo João Carlos Thomé tem sobrevoado a mancha desde o dia 22/11 e sempre volta para terra visivelmente abalado. "Nem sei o que falar. É terrível; uma calamidade. Parece uma gelatina marrom se esparramando mar adentro."

 

Leia a reportagem do jornal "O Estado de S.Paulo", publicada na segunda-feira, dia 23/11 (CLIQUE AQUI)

 

Entre os rejeitos da lama despejada após o rompimento de duas barragens que devastaram o distrito de Bento Rodrigues, em Mariana (MG), estão altos índices de ferro e mercúrio em alta concentração, além de esgoto. O risco é de uma "esterilização" sem precedentes em toda a Bacia Hidrográfica do Rio Doce, e também na zona costeira. Além da Reserva Biológica de Comboio, estão pelo caminho outras duas unidades de conservação ambiental: Costa das Algas e Santa Cruz. Juntas, as três unidades de conservação somam 200 mil hectares no mar.

 

Na quarta-feira, 25/11, a lama avançou mais em direção ao norte do Espírito Santo e está a 30 quilômetros da foz do Rio Doce. Na areia da praia de Povoação, que fica ao lado de Regência, tem peixe morto e os pescadores de braços cruzados.

 

Para ajudar a diminuir os danos provocados pela lama no mar, a Marinha enviou um reforço: o navio de pesquisa Vital de Oliveira. "O navio foi desviado para o Espírito Santo para ajudar a resolver esse problema no Rio Doce", disse o comandante Aloisio Maciel de Oliveira Júnior, ao Jornal Hoje, da Rede Globo. Veja a reportagem completa AQUI.

 

A Mineradora Samarco, "joint-venture" entre as empresas e acionistas Vale e BHP Billiton, tentou em vão conter o avanço da lama nos manguezais e restingas. Até o momento, a empresa foi multada em R$ 250 milhões e fez um acordo com o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e o Ministério Público Federal em Minas Gerais (MPF-MG) para pagamento de reparação pelos danos ambientais. O Termo de Compromisso Preliminar determina o pagamento de uma caução socioambiental de R$ 1 bilhão, valor bem abaixo dos R$ 14 bilhões previstos de prejuízos com danos ambientais.

Please reload

Posts Em Destaque

UMA ANÁLISE SOBRE AS MANCHAS DE ÓLEO NAS PRAIAS DO BRASIL, POR RONALD BUSS DE SOUZA, OCEANÓGRAFO, PESQUISADOR TITULAR DO INSTITUTO NACIONAL DE PESQUIS...

November 28, 2019

1/10
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Siga
  • Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon

HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO

Segunda a Sexta  8h - 12h

                              14h - 18h

ENDEREÇO

Avenida Rui Barbosa, nº 372, Sala 04

Bairro Praia dos Amores

Balneário Camboriú, SC

CEP: 88331-510

aoceano@aoceano.org.br

Tel. fixo: (47) 3367-2202 Cel: (47) 9 9686-9867

Associação Brasileira de Oceanografia

CNPJ 90.221.151/0001-62

 

  • Black Instagram Icon
  • Facebook Basic Black