HÁ 9 ANOS, NO DIA 31 DE JULHO DE 2008, OCEANÓGRAFOS CELEBRAVAM A ASSINATURA DA LEI QUE REGULAMENTOU A PROFISSÃO APÓS ANOS DE LUTA

31 Jul 2017

 

Desde 2008, o último dia de julho é de comemoração para os oceanógrafos. Celebram o fim de uma verdadeira batalha, que durou mais de 30 anos e chegou ao fim com a sanção presidencial da Lei 11.760, e a consequente validação da regulamentação da profissão de Oceanógrafo.

 

Além de ser um fato histórico, esta talvez seja a nossa maior conquista desde a instalação do primeiro curso de graduação na cidade de Rio Grande, no Rio Grande do Sul, no início dos anos 1970. Atualmente, a Oceanografia é uma profissão reconhecida em todo o país, com cursos de graduação em universidades de 11 estados da Federação.

 

Confira a seguir um breve histórico dos projetos de lei que levaram à aprovação definitiva da regulamentação do exercício da profissão de Oceanógrafo, pela Lei 11760, de 31 de julho de 2008.

 

O PRIMEIRO PROJETO

 

A primeira tentativa de regulamentação do exercício da profissão de oceanógrafo ocorreu em 1979, quando a FURG, por intermédio da Câmara de Vereadores de Rio Grande, encaminhou um projeto com esse propósito para o Congresso Nacional, pelas mãos do então deputado federal paulista, Freitas Nobre. Depois de rápida tramitação na Câmara dos Deputados e no Senado Federal, o projeto acabou arquivado.

 

A justificativa teria sido a necessidade de criação de um órgão regulador específico, aliado à reduzida quantidade de profissionais formados em Oceanografia no Brasil, até aquele momento.

 

SEGUNDA TENTATIVA

 

Em 1988, após incontáveis seminários e reuniões entre estudantes e profissionais, conclamados pela AOCEANO, para debater propostas que resultassem num contundente projeto de lei, o então deputado federal Antonio Carlos Konder Reis encaminhou à Câmara dos Deputados o resultado dessas conversações, a pedido da AOCEANO, então presidida por Raul Torres de Bem Junior. Nascia, assim, o Projeto de Lei 1266/99, com a mesma finalidade de regulamentar o exercício da profissão de Oceanógrafo.

 

O PL estabelecia que o registro dos profissionais oceanógrafos se desse junto ao CREA, e após ter tramitado em algumas comissões, chegou a receber parecer favorável em duas delas. Mas enfrentou forte oposição do Conselho Federal de Biologia e também, do deputado federal Fabio Feldman. Assim, convencida de que deveriam haver adequações ao texto do PL, como a retirada do vínculo do profissional ao sistema CONFEA/CREA, a Diretoria Nacional da AOCEANO, na época, considerou mais adequado o seu arquivamento, o que acabou por acontecer.

 

TERCEIRO PROJETO DE LEI

 

Em 1991, novamente a pedido da AOCEANO, o então senador catarinense Esperidião Amim Helou Filho deu entrada no Senado Federal com novo Projeto de Lei, que recebeu a designação de PLS 274/91, que foi aprovado naquela Casa Legislativa após rápida tramitação em duas comissões, e chegou à Câmara dos Deputados em 1993, sob nova identificação, passando a constituir o Projeto de Lei 3491/93.

 

Na Câmara, o PL foi analisado pelas Comissões de Constituição, Justiça e Redação; de Educação; e de Trabalho, nas quais recebeu emendas. Foi também analisado em caráter excepcional pela Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Minorias, onde passou inclusive sob o crivo de uma audiência pública solicitada pelo então deputado federal Fábio Feldman, onde também recebeu emendas que, de comum acordo com a AOCEANO, foram indicadas por grupos de interesses contrários à regulamentação, como a Sociedade Brasileira de Limnologia e até mesmo o Instituto Oceanográfico.

 

Com seis emendas incorporadas ao texto original, o PL 3491/93 recebeu parecer favorável do relator, o deputado Fabio Feldman, e teve sua aprovação apoiada por unanimidade em todas as comissões pelas quais tramitou.

 

Em 1995, o PL 3491/93 foi finalmente colocado na ordem do dia da Câmara dos Deputados. Mas a sua aprovação esbarrou na impossibilidade de manter o dispositivo que definia o piso salarial da categoria, identificado pela assessoria parlamentar da Casa Civil. Assim, em sessão plenária, o então deputado federal catarinense, Paulinho Bornhausen, propôs a eliminação deste dispositivo do projeto, após ouvir a posição da Diretoria Nacional da AOCEANO, que era retirar o piso salarial do texto do PL ou permitir o seu arquivamento. Esta retificação no texto do PL foi aprovada.

 

Destaca-se que esta posição de arquivamento do PL foi fortemente defendida pela assessoria parlamentar da Casa Civil. Esta alteração da redação do PL ocorrida em plenário, após ter passado por longa e árdua tramitação, fez com que o PL fosse novamente apreciado em todas as comissões temáticas obrigatórias (Constituição, Justiça e Redação, Trabalho, e de Educação).

 

NOVO SÉCULO, NOVOS TRÂMITES 

 

Em novembro de 2000, já com parecer favorável das comissões, o PL 3491/93 retornou ao plenário da Câmara dos Deputados para análise e votação. Foi incluído na ordem do dia em caráter de “urgência urgentíssima”, em sucessivas sessões. No entanto, entraves na votação das matérias impossibilitaram que o PL fosse apreciado naquele ano.

 

Em 2001, respondendo a pedido de apoio à regulamentação encaminhado pela AOCEANO à Casa Civil da Presidência da República, o Ministério do Trabalho e Emprego emitiu parecer contrário à regulamentação de qualquer profissão. Tomada de surpresa, e ante a perspectiva de veto presidencial, caso o PL fosse aprovado no Congresso Nacional, a Diretoria Nacional decidiu por mantê-lo parado na Mesa Diretora da Câmara dos Deputados, aguardando condições favoráveis para sua apreciação.

 

Em 2003, nova tentativa e nova negativa. O Ministério do Trabalho voltou a negar apoio ao PL 3491/93 e ainda considerou que o exercício da profissão e Oceanógrafo não incorreria em risco efetivo à saúde da população, visto que a Constituição Brasileira de 1988 assegurava a plena liberdade de exercício de atividade laborativa ou econômica, independente de autorização ou normatização do Poder Público.

 

Portanto, frente a esta realidade, a AOCEANO passou a discutir, em 2006, dispositivos legais para buscar a autorregulamentação do exercício profissional, mediante a criação do Conselho Nacional de Oceanografia, uma entidade, que seria estruturada no âmbito da AOCEANO.

 

O MOMENTO ESPERADO

 

Em 29 de maio de 2007, a sanção da Lei 11.476, que dispõe sobre o exercício das profissões de Enólogo e Técnico em Enologia, trouxe novo alento à AOCEANO. O então presidente da AOCEANO, Fernando Diehl, observou que a resistência da Presidência da República e do Ministério do Trabalho e Emprego, contrários à regulamentação de profissões, poderia ser vencida. Portanto, novos contatos passaram a ser buscados, novas articulações discutidas e definidas, e a Diretoria Nacional voltou à luta pela aprovação do PL 3491/93, que estava na Mesa Diretora da Câmara dos Deputados aguardando ser levado ao plenário para votação.

 

Em junho daquele ano, 2007, outra boa notícia: o Ministério do Trabalho e do Emprego, após articulações e participação de membros da Diretoria Nacional, por meio de ofício encaminhado à AOCEANO, informava a inclusão da profissão de Oceanógrafo como ocupação profissional na próxima revisão do Cadastro Brasileiro de Ocupações – CBO, fato que se deu em março de 2008, quando os oceanógrafos foram incluídos na família dos Geólogos, Oceanógrafos e Geofísicos, no novo CBO.

 

Em razão dessa nova realidade, a AOCEANO, ampliou as gestões e articulações junto à Mesa Diretora da Câmara dos Deputados, e conseguiu incluir o PL na ordem do dia da Câmara, em maio de 2008. Acionado por meio de várias ações e estratégias, e apoios diversos, o Ministério do Trabalho e Emprego também se manifestou favorável à regulamentação da profissão de Oceanógrafo.

 

Mesma posição foi oficializada pelo Gabinete da Casa Civil da Presidência da República, que após minuciosa análise do PL e considerações sobre outros pareceres favoráveis à regulamentação, como o da Secretaria Especial de Pesca e Aquicultura, do IBAMA e do comando da Marinha do Brasil, posicionou-se favorável à regulamentação da profissão de oceanógrafo pela aprovação do PL 3491/93.

 

E havia também apoios importantes de parlamentares, amigos e oceanógrafos que se envolveram na gestão das ações conduzidas pela Diretoria Nacional da AOCEANO. Daí à aprovação do PL na Câmara dos Deputados foi um pulo. Deu-se em 29 de maio de 2008.

 

Próximo passo era a aprovação no Senado Federal, onde as ações e estratégias tentavam aprovar o PLS 274/91 antes do recesso parlamentar que iria ocorrer em julho. Até lá, a AOCEANO intensificou seus contatos, buscou novos e importantes apoios, sempre tendo a aprovação do PL na Câmara como motivação, sem esmorecer nesta outra batalha que foi a conquista de apoios no Senado Federal.

 

Em 9 de julho de 2008, enfim, o Senado Federal também aprovou o PLS 274/91. Ambas aprovações você pode conferir integralmente em vídeo, no site da AOCEANO, onde também é possível ler a íntegra da Lei 11.760, sancionada em 31 de julho de 2008.

 

Parabéns a todos!!

 

Please reload

Posts Em Destaque

UMA ANÁLISE SOBRE AS MANCHAS DE ÓLEO NAS PRAIAS DO BRASIL, POR RONALD BUSS DE SOUZA, OCEANÓGRAFO, PESQUISADOR TITULAR DO INSTITUTO NACIONAL DE PESQUIS...

November 28, 2019

1/10
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Siga
  • Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon

HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO

Segunda a Sexta  8h - 12h

                              14h - 18h

ENDEREÇO

Avenida Rui Barbosa, nº 372, Sala 04

Bairro Praia dos Amores

Balneário Camboriú, SC

CEP: 88331-510

aoceano@aoceano.org.br

Tel. fixo: (47) 3367-2202 Cel: (47) 9 9686-9867

Associação Brasileira de Oceanografia

CNPJ 90.221.151/0001-62

 

  • Black Instagram Icon
  • Facebook Basic Black